Fraternidade e esperança: remédios tão necessários quanto as vacinas

advanced divider

Washington da Silva Paranhos SJ

Elton Vitoriano Ribeiro SJ

No dia 8 de fevereiro, durante a tradicional cerimônia anual com o corpo diplomático no Vaticano, o Papa Francisco afirmou: “Assistimos a uma espécie de catástrofe educativa, face à qual não se pode permanecer inerte; exige-o o bem das futuras gerações e da sociedade inteira”(1). Uma preocupação que demonstra um discurso com sentido, pois educar é um “acampamento” no qual se pratica e se imagina um futuro bom e habitável. Se não há lugares onde a imaginação de futuros possíveis é praticada, é uma verdadeira catástrofe educacional. Mas será que podemos falar em catástrofe educativa? Ou seria a incapacidade de abrir futuros possíveis?

Catástrofe educativa. Para o Papa Francisco, este é um dos males mais dramáticos da época em que vivemos. Não é a primeira vez que ele usa essa expressão. Em outubro de 2020, na abertura dos trabalhos do Pacto Global pela Educação, ele já havia falado sobre isso, mas dessa vez – observamos – ele a usa com uma convicção ainda maior. Se, em outubro do ano passado, ele trouxe a expressão “um pouco forte” que outros usam simplesmente (“fala-se”), desta vez, sem dúvida, a fez sua: “Assistimos a uma espécie de catástrofe educacional. Deixai-me repeti-lo: assistimos a uma espécie de catástrofe educativa, face à qual não se pode permanecer inerte; exige-o o bem das futuras gerações e da sociedade inteira”. Mais interessante ainda é o fato do Papa ter pronunciado essas palavras na sua alocução aos membros do Corpo Diplomático ligado à Santa Sé, como se através deles quisesse transmitir esta mensagem não apenas para o círculo das pessoas que se ocupam com a instrução e a educação, mas para o mundo inteiro.

A pandemia, que nos forçou a longos meses de isolamento e muitas vezes de solidão, evidenciou a necessidade de relacionamentos humanos que tem toda a pessoa. Penso, antes de mais nada, nos estudantes que não puderam frequentar regularmente a escola ou a universidade”, disse o Papa Francisco. Em nosso caso, no Brasil, a desigualdade social e o distanciamento entre ricos e pobres, ficaram ainda mais evidentes. Boa parte dos estudantes não consegue acompanhar as aulas online por falta de equipamentos e condições de pagar uma rede de dados para tais aulas; em algumas situações o material impresso também não chegou para todos; e finalmente, a ausência do professor, da professora, que orienta e ajuda nas dúvidas também lhes faltou.

E continuou o Papa: “Procurou-se por todo o lado implementar uma resposta rápida através de plataformas educativas informáticas, que evidenciaram não só uma acentuada disparidade de oportunidades educacionais e tecnológicas, mas também o fato de muitas crianças e adolescentes, devido ao confinamento e outras carências anteriores, terem sofrido atrasos no processo normal de desenvolvimento pedagógico. Além disso, o aumento do ensino à distância implicou também uma maior dependência das crianças e adolescentes da internet e, em geral, das formas virtuais de comunicação, tornando-os mais vulneráveis e expostos a atividades criminosas em rede”. De forma lúcida e coerente Francisco alerta para alguns problemas evidentes, mas que muitos dos responsáveis pela educação ainda não consideram.

E o Papa faz uma espécie de convocação: “Hoje temos necessidade de uma renovada estação de empenhamento educativo, que envolva todas as componentes da sociedade, pois a educação é ‘o antídoto natural à cultura individualista, que às vezes degenera num verdadeiro culto do ego e no primado da indiferença. O nosso futuro não pode ser a divisão, o empobrecimento das faculdades de pensamento e imaginação, de escuta, diálogo e compreensão mútua’”.

Mas porque falar de catástrofe educativa aos embaixadores?

Depois da Laudato sì e Fratelli tutti não surpreende tal discurso. Os diplomatas, enquanto pessoas com responsabilidade política, não devem ser portadores de interesses particulares, mas de uma responsabilidade precisa para com uma memória, uma história, especialmente para com o futuro. Ter falado em “amizade social” criou uma descontinuidade muito grande: a convivência não é uma questão de parceiros que compartilham interesses, pede algo mais, pede um vínculo fraterno. E os irmãos sabem bem que nisto há um sentido humilde e concreto da arte da coisa, a necessidade de uma redescoberta contínua, uma generosidade que é também perdão, uma reconstrução quase diária do vínculo fraterno que jamais se constrói de uma vez para sempre…. Educar para a fraternidade requer uma vontade política precisa no que diz respeito à diversidade: o esforço de compor a diversidade, na atenção recíproca. Isto conduz-nos de imediato às gerações vindouras: educar é sempre acompanhar para possibilitar um futuro possível, no qual é importante saber escolher entre o possível e o inviável… “educar é apostar e infundir no presente a esperança que rompe os determinismos e fatalismos com que muitas vezes o egoísmo do forte, o conformismo do vulnerável e a ideologia do utopista se querem impor como único caminho possível”(2).

Correlacionar política e educação significa colocar no centro a questão das futuras gerações, da responsabilidade com o futuro. Educar é sempre acompanhar para abrir um futuro possível, no qual saber escolher entre o possível e, quem sabe, poderíamos dizer o possível é fundamental. A catástrofe educacional é a profunda incapacidade de assumir esta perspectiva, de geração em geração. Para certos políticos, quanto mais ignorantes, melhor é. Favorecer a possibilidade de educação de qualidade para todos é sempre um risco para a política das velhas oligarquias.

Qual é o verdadeiro espaço de liberdade? Educar tem sempre o pressuposto necessário do limite, a delimitação do seu domínio/pretensão no presente para deixar em aberto possibilidades para o futuro, não consumindo todo o presente e, ao mesmo tempo, não calculando apenas nas perspectivas de curto prazo. Já chegamos ao limite extremo do consumo e destruição do planeta, das possibilidades de tornar tudo presente. A capacidade de sonhar diferente deve ser retomada. Qual é a capacidade geradora, de ir além? Para transbordar? Esta é uma palavra que o Papa Francisco costuma usar, transbordando, transbordando! Na escola sempre há um transbordamento para o futuro, se reimaginam sempre coisas novas. Como quando nasce uma criança se volta à primeira semana do mundo, à criação, também quando se educa, se ensina as línguas, as técnicas e os conhecimentos da tradição, é como se se as experimentasse de novo na capacidade de dizer o mundo, transformá-lo e compartilhá-lo. Às vezes, isso se perde na escola e nos concentramos apenas na linguagem, técnica, aprendizagem e capacidade de execução e resultados. Esta é a catástrofe educacional. Num período como este, de “êxodo” para uma “Terra Prometida” ainda por delinear-se, o lugar educativo é um “acampamento” onde se pratica e se imagina um futuro bom e habitável. Se não houver lugares onde a imaginação do futuro seja praticada, é realmente uma catástrofe educativa.

Como a escola deve enfrentar esse desafio?

Há mais de vinte anos, a escola encontra-se em constante movimento de transformação no que diz respeito à velocidade das tecnologias, em mudança enquanto conceito e também em relação ao mundo do trabalho. A escola, por outro lado, deve ser antecipação, é um lugar colocado no horizonte, é uma bandeira que se move constantemente no horizonte em que todas as memórias e entregas do passado são praticadas imaginando uma função futura, boa, fraterna. Precisamos repensar a escola não no impulso, mas para frente, como um anúncio. Quando você ensina uma disciplina na escola, você ensina os grandes potenciais de transformação do mundo, não a disciplina como um exercício de medição, acúmulo de conteúdo, ou poder. Depois, creio que o Papa Francisco também pensou muito além, decidindo pronunciar essas palavras.

Quantas crianças e adolescentes no mundo crescem em situações de guerra, de incerteza, de uso autoritário da força, sem a presença dos genitores e ou adultos responsáveis? O mundo está cheio de menores desacompanhados e adultos sobrecarregados com problemas na luta pela sobrevivência que não podem acompanhá-los e cuidá-los. Na verdade, o apelo é para diplomatas. E é interessante que o Papa tenha feito o apelo não para chefes de estado ou políticos, mas para representantes de nações em outra nação. Como se quisesse dizer: “Estejamos sempre próximos um do outro, este é o horizonte e a perspectiva de qualquer ação educativa”. Educar para a particularidade é sempre educar para o conflito, para ver o outro como inimigo. Como desconstruir o outro ameaçador? Deixando que o outro nos habite e continuando a habitar o horizonte do outro: por isso as diplomacias são importantes, são ao mesmo tempo, acolhida e pedido de hospitalidade. Aqui também, catástrofe educativa é: não ter locais de boas práticas, nem treinamento para conflitos e travessia não destrutiva do conflito. Nós hospedamos a maravilhosa experiência de Paulo Freire, um pedaço do futuro bem definido. O Papa recorda-nos ainda, o destino de uma unidade não irênica, não recordada com base em valores, mas de forma concreta no lucro e na competitividade, não a partir do compromisso com a vida das gerações que crescem e com o seu futuro. Assumir a catástrofe educativa do ponto de vista de julgar a bondade de qualquer política e a nossa capacidade de reinventar a educação talvez seja o caminho.

Educar é sempre um ato de esperança que convida à coparticipação transformando a lógica estéril e paralisadora da indiferença numa lógica diferente, capaz de acolher a nossa pertença comum. Se hoje deixássemos os espaços educativos continuarem a reger-se pela lógica da substituição e repetição, incapazes de gerar e mostrar novos horizontes, onde a hospitalidade, a solidariedade intergeracional e o valor da transcendência fundamentem uma nova cultura, não estaríamos porventura falhando em relação ao encontro com a História?

Por isso, pensamos que a educação seja um dos caminhos mais eficazes para humanizar o mundo e a história. A educação é sobretudo uma questão de amor e responsabilidade que se transmite, ao longo do tempo, de geração em geração.

__________________________________________________

(1) Francisco, Papa. Discurso aos membros do Corpo Diplomático acreditado junto da Santa Sé: http://www.vatican.va/content/francesco/pt/speeches/2021/february/documents/papa-francesco_20210208_corpo-diplomatico.html.

(2) Francisco, Papa. http://www.vatican.va/content/francesco/pt/messages/pont-messages/2020/documents/papa-francesco_20201015_videomessaggio-global-compact.html

Washington da Silva Paranhos SJ é professor no departamento de Teologia da FAJE

Elton Vitoriano Ribeiro SJ é professor e pesquisador no departamento de Filosofia e Reitor da FAJE